Escritor

A VISÃO NÃO DEPENDE DOS OLHOS

Um dia, uma maçã caiu de uma árvore. O que haveria de mais em um
acontecimento tão banal como esse? É que foi através da simples queda de
uma maçã que o cientista inglês Isaac Newton descobriu a lei da
gravidade, o que alterou os conceitos da física no mundo. O episódio
poderia ter passado em branco; com certeza, não era a primeira vez que
uma maçã caía de uma árvore. Entretanto, a diferença foi que Newton
percebeu o que antes ninguém havia percebido.

Além de Newton, muitos outros, cientistas, filósofos, artistas,
através de uma observação atenta do universo à sua volta, foram além da
imagem captada pelos olhos, e alcançaram uma compreensão mais profunda
da realidade.

O que há por trás de um simples traço em uma folha de papel? O que
há por trás de um reflexo, de uma reação, de um movimento, de uma
sensação? O que há por trás de um gesto, de uma palavra, de um
comportamento? Somente conseguirá descobri-lo aquele que não tiver
apenas uma visão linear das coisas, aquele que souber mergulhar na sua
criatividade, na sua emoção, na sua intuição. Afinal, os olhos físicos
existem para focar as coisas; mas é com os olhos do entendimento que
realmente conseguimos enxergá-las.

O universo é um grande livro onde tudo está escrito, onde todas as
respostas se encontram, onde todas as oportunidades estão abertas. No
entanto, enxergar isso depende da visão de cada um. Quem observa, e não
apenas olha, vê além do que está sendo visto. E aquele que tem essa
visão, consegue enxergar as coisas até mesmo de olhos fechados, pois as
grandes verdades do mundo não passam pela retina, mas pela sensibilidade
da mente e da alma.